.
.

terça-feira, 8 de janeiro de 2008




denuncio-me

nos gestos que não contenho no peito

nos sorrisos que mordo nos lábios

nos olhares que procuram os teus olhos




se me denuncio!

porque não me prendes?





14 comentários:

Cr disse...

Que grande questão Tufa!
O mesmo se passa comigo!
Os velhos mestres "Tempo, Preseverança" ditarão os procedimentos, atitudes a tomar.
Beijo

un dress disse...

estranhamente...








beijO

NARNIA disse...

Será só uma questão de tempo... provavelmente quando menos esperares estarás "presa" :))

Beijinho

maria josé quintela disse...

boa pergunta!

Maria disse...

Excelente........

Guigui disse...

talvés, para não se prender.

GUARDIAN OF THE LOVE MONUMENT disse...

MENINA TUFA, NÃO SEJA POR ISSO... SE ESSE MALANDROTE NÃO A QUER PRENDER... OFEREÇO-ME EU !!! SOU O GUARDIÃO DO MONUMENTO AO AMOR QUE VÊ POR TRÁS DA MINHA BELA PESSOA...

;))

Antes Prefiro disse...

sabes "O Principezinho"? a parte da raposa e do cativar? É mais ou menos isso! as pessoas esquecem-se que quando cativam, ficam de certo modo responsáveis por quem cativaram! infelizmente, diga-se de passagem... :(

pn disse...

que delito cometeste?
talvez a denúncia te absolva...

Marta disse...

Talvez espere uma outra palavra tua...o momento mais adequado....
Obrigada pela visita...
Até já...
Beijos e abraços
Marta

Marta disse...

Olá outra vez..
Deixei-te um presente no Com Amor...
Beijos
Marta

legivel disse...

"... porque não me prendes?" perguntava-lhe em ânsias. Que na verdade, os gestos, os sorrisos e os olhares a denunciavam. Ele olhou-a friamente "Mas não te enxergas?! Tu já és minha prisioneira!" Ela não suportou mais a indiferença e lançou-se nos braços dele "Mas eu quero que me prendas de facto!" articulou num grito lancinante. "Não tens sorte nenhuma. Hoje não estou de serviço." retorquiu ele, lacónico. Depois entrou no carro-patrulha e desapareceu deste comentário.


abraço.

Manuela disse...

porque ele não é policia? :)
gostei de estar aqui.
deixo-te um sorriso que denuncia que foi um prazer ler-te.

Pedro Branco disse...

Quem me prende no peito esta prisão
Imobilizadamente por entre cada nó deste amor
Para depois, talvez em corrente ou paredão
Tudo se desfazer com pedaços de dor

Quem me denuncia na alma esta ternura
Rastejantemente pelos labirintos de cada nó deste amor
Para depois, talvez em tempestade feita ar e candura
Tudo se refazer com pedaços de dor

Pedaço a pedaço.Dor a dor.