.
.

quarta-feira, 2 de julho de 2008

.



esta é a justiça de um deus. para quem a sofre como penitência. acabou - sussurra de olhar baço e quase cego. um quase imperceptível "acabou". um olhar de piedade quase morto da vida e tão vivo da dor. para quem sofre a impotência de apenas lhe poder afagar os ossos. lhe ouvir a falta de ar. saber que, infelizmente, ainda não acabou. a morte torna-se intolerante para quem foi o contrário. quando é que isto acaba? este terá sido o meu último beijo. o meu último toque na pele afogueada pela brasa de não ter carne. o último olhar... sabes quem é? - perguntaram. respondeu - sei, a mostrar a sua força. claro que sabia que era eu. e foi a mim que olhou e disse - acabou, acabou tudo! tão ciente da partida. desejosa dela. selada em ópio até ao limite. se pudesse escolher... estou certa que entraria num caixão com inquilino. magra... franzina... esqueleto de amante tão bela. recebida com um beijo nos lábios. um amor puro, que conheci. estou quase, mário! está a acabar! sentirá a justiça de deus ao reencontrar o grande amor da sua vida? vem pilar, meu amor. eu espero!
.

9 comentários:

lotto disse...

It enables us to express our feelings and opinions.

Maria disse...

por mim preferia que o amor tivesse sido vivido aqui, na terra, em carne e osso.
lá não sei como é, se é que é...
... por mim não é....

Um beijo com um sabor soteropolitano

Marta disse...

Triste e doloroso....
Mas o amor vive sempre...aqui ou no espaço....
Beijos e abraços
Marta

maria josé quintela disse...

eu também espero.


que continues a escrever assim.



um beijo.

João Videira Santos disse...

Para além do texto, gostei dos comentários feitos. Nada como "sentir" a sensibilidade de quem lê e comenta.

as velas ardem ate ao fim disse...

Um amor vivido.entre a dor e o beijo.

lindo

Denis Barbosa Cacique disse...

Se Deus resolver fazer justiça, o negócio é andar bem na linha, Tufa. Dizer adeus é penitência! E das piores!!

della-porther disse...

to passando para te deixar um beijo de bom fim de semana

della

ivone disse...

este texto fez_me lembrar uma passagem de um livro que já li duas vezes o à beira do rio piedra eu sentei e chorei de paulo coelho


coincidência ou não havia também uma pilar

tu também?
será?