.
.

quarta-feira, 26 de março de 2008

.




revoltada chuva espreita através da vidraça

pede ajuda ao vento para que levante o véu

copiosamente chora a sua inveja lá do céu

enquanto vê que o meu corpo o teu abraça



na dança não vêem nossos olhares falantes

num abraço de palavras dizentes não nos ouvem

mas num desejo tão súbito se envolvem

apaixonadamente se tormam dois amantes


.

9 comentários:

Nilson Barcelli disse...

Mais um excelente poema cara amiga.
Gostei de ler, como sempre.

Bom resto de semana, beijinhos.

AURORA ( LOLA ) disse...

na dança não vêem nossos olhares falantes

num abraço de palavras dizentes não nos ouvem

mas num desejo tão súbito se envolvem

apaixonadamente se tormam dois amantes





Gostei, está lindo.




bjs

Ana disse...

Dance me to the end of love. Madeleine Peyroux;)

Lembraste-me desta música que adoro com este post maravilhoso.


Beijooo

Marta disse...

E quem não gosta de dançar com quem ama?
Uma dança secreta..onde só os corações falam......
Gostei...
Até já?
Beijos e abraços
Marta

~pi disse...

água e terra que ardem...

rosasiventos disse...

ai o que diria jim san ao meu grito se

um dia





bebesse




do vento suave

o vento

agreste

un dress disse...

oxalá!!

ámen!*

pn disse...

a raiz à terra dada...

bettips disse...

Dedinhos de criança
flores que abrem com o sol
palavras femininas
lugares-olhados
(não é um poema, saiu-me assim, aos bocados de ideias)

Obg pela passagem por lá!
Abç