.
.

sábado, 15 de março de 2008

.


nem a tua alegria anima o meu cinzento véu

a música não a oiço, vais ver que se perdeu

na dança não entrei, ninguém ma prometeu

um dia a não passar e a sabê-lo meu

a tristeza cruel que meus olhos encheu

e a tua ausência que me percorreu






comentado noutro blog
.

7 comentários:

Tinta Azul disse...

ausente
fez-se presente
no poema.

Maria disse...

Tem dias que fico sem palavras para ti...
... tenho muitas, mas não as "de comentar"....

Um beijo, Tufa

Lampejo disse...

Tufa,

Tomará que seja uma ausência,de uma janela onde possas olhar...olhar outro sorriso.

Belíssimo teu poema!


(a)braços e flores :)

Marta disse...

Ausência - dificil suportar..pensa-se...
É pesado, mas aprende-se a equilibrar....buscando a verdade....
Lindo...
Até já
Abraços
Marta

belakbrilha disse...

Ausência...que se sente1

...que o cinzento se tranforme em cor como o arco-íris!

bjs

pn disse...

Tufa, com um canteiro desses quem precisa de presenças?

Aspásia disse...

É PRECISO TAMBÉM SABERMOS ESTAR NA COMPANHIA DE NÓS MESMOS!
HÁ MUITA COISA QUE SE PODE FAZER, NA AUSÊNCIA DOS OUTROS...
SABER ESTAR SÓ PODE SER UMA ARTE... É +RECISO APROVEITAR O QUE DE BOM HÁ EM ESTAR SÓ E EM ESTAR ACOMPANHADO!

BEIJOKA PRESENTE