.
.

quarta-feira, 14 de novembro de 2007


como sou transparente para mim mesma
me deixo trespassar pela luz
me oiço e vejo numa forma cristalina
em que a sombra existe mas é suave
e, apesar da minha nitidez de mim
a minha mensagem não passa
não atinge para além do eu
como me escapam todas as formas
me falham todos os sentidos
se toco não sentes
se olho não vês
se digo não ouves
se saboreio não provas
se inalo não sentes o aroma
e
quando olho quero dizer
quando toco quero ver
quando digo, gostava que sentisses
acho que vou desistir de tentar
porque hoje fiquei novamente sem palavras



5 comentários:

maria josé quintela disse...

não somos transparentes para os outros, porque não nos alcançam da mesma perspectiva, mas ser transparente para si próprio é sinal de muita coragem e maturidade.

pn disse...

permite-me discordar
estas palavras escritas
são luminosamente nítidas
se falhou a comunicação
elas são disso inocentes...

ASPÁSIA disse...

AMIGA SÓ ME OCORRE O SEGUINTE:

NÃO HÁ PIOR CEGO QUE AQUELE QUE NÃO QUER VER!

BEIJINHO SOLIDÁRIO

carteiro disse...

dói não desistir mas também dói desistir.
na tua transparência a pureza de uma luz mantém-se, mesmo depois de trespassar-te numa ida. espero que essa luz te trespasse de volta e vire do avesso essas reacções.
um abraço, dos grandes.

TINTA PERMANENTE disse...

Isso são apenas os sortilégios da...transparência!...

abraço.