.
.

quinta-feira, 4 de outubro de 2007

sei que me repito
em versos ou prosas
como a vida o faz sem pedir licença
reflexos de si
espelhos de um eu
como não o fazer
em versos ou prosas
se a vida é poeta em carne viva
em sangue e sal
em alma e dor
em céus e mares
perfeita, se em amor




6 comentários:

Pedro Branco disse...

Nenhum barco sentirá as correntes do rio se os espelhos não forem nossos... Nenhuma maré se voltará às janelas se os ventos não trouxerem os cantos... Nenhum verso será de novo prosa se a vida não for palavra de ser...

maria josé quintela disse...

repetimos gestos, não os sentimentos que fazem brotar as palavras.

pn disse...

Mas...

o poeta não é um fingidor?

Que chega a fingir que é dor

A dor que deveras sente...?

TINTA PERMANENTE disse...

Estas palavras-verso, vejo-as luminosas! E, como toda a luz, isso é bom...
Abraço

Tchivinguiro: onde nasci. disse...

Mesmo repetindo é tudo novo, TUFA.

Tchivinguiro: onde nasci. disse...

H� dois "espelhos" a reflectirem para ti. H� algum tempo. Porque Tufa Tau � Tufa Fau. Uma "Dedicat�ria" a TI e ao teu LUGAR, porque SIM.
Oxal� te seja agrad�vel, oxal� seja.
Talvez tenhas dado conta. Talvez n�o te tenha sido poss�vel espreit�-la, qui� sim, ou n�o.
Beijinho.