.
.

segunda-feira, 29 de outubro de 2007

que amor é este
que tudo ultrapassa
sufoca no peito
ata e não desata
que amor é este
tão presos nos traz
não nos dá sossego
olha o que nos faz
para além de tudo
para além de nós
paixão incontida
que embarga a voz
em lágrimas fico
ao te ver chorar
que amor é este
que eu vi chegar
tua voz é meiga
delícia escondida
o teu corpo espero
para toda a vida
gosto de te amar
de te sentir perto
se agora apareceste
neste meu deserto


6 comentários:

as velas ardem ate ao fim disse...

Este é o poema do amor.
O poema que o poeta propositadamente escreveu só para falar de amor.
de amor, de amor, de amor, para repetir muitas vezes amor, de amor, de amor, de amor,
Para que um dia, quando o Cérebro Electrónico contar as palavras que o poeta escreveu, tantos que, tantos se, tantos lhe, tantos tu, tantos ela, tantos eu,
Conclua que a palavra que o poeta mais vezes escreveu foi amor, amor, amor
Este é o poema do amor. [António Gedeão]


bjinhos(não sei se respondi...)

Pedro Branco disse...

Quanto de mim arrasta o amor?
Quantas velas irão até ao fim?
Quanto sufoco em repiração de dor?
Quanto doce amargo, voz de mim?


Sabemos deste sufoco no brilho de um novo olhar ou na ternura doce de uma voz que nos chama. Nas palavras que nos inundam os sonhos e aconchegam os dias. Nas esperas que percorremos no tempo. Nas calçadas e nos leitos.

É bom sentir-te assim, apaixonada! A tua vida, seguramente, anda mais animada, mesmo que sofrida. Espero que o teu amor o saiba merecer!

Beijo.

pn disse...

bela a loa
belos os tons do desenho

Aspásia disse...

SINTO QUE ALGO BOM CHEGOU,
AMIGA FICO FELIZ!
AMIGA ALGO ME DIZ
QUE O AMOR EM TI BROTOU,
QUE FOI O QUE EU SEMPRE QUIS!

BEIJIIIINHOOOOSSS DESTA CUPIDA... :)

belakbrilha disse...

Que bom!
Apareceu um oásis nesse teu deserto!

lindo poema...

bjs

maria josé quintela disse...

balada do amor...